terça-feira, 11 de março de 2014

Internet, o negócio que mais cresce no mundo

As vendas pela internet estão fazendo a cabeça do brasileiro, aliam comodidade, agilidade e conforto, além da facilidade de pesquisar preços e decidir pela compra em poucos cliques. Em 2009 esse mercado movimentou cerca de R$ 10,8 bilhões, sendo R$ 2 bilhões somente entre pequenas e médias empresas. A estimativa é que esse número cresça até 30% em 2010. Datas comemorativas como o Dia das Mães, Natal, Dia dos Namorados e dos Pais alcançam picos de vendas e batem recordes anualmente. Para esse ano, a expectativa é que as vendas online no Dia das Mães cresçam cerca de 40% em relação a 2009.
Na opinião de Gerson Rolin, diretor executivo da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, um pequeno empresário não corre o risco de falir se não tiver um braço para vender na internet, mas estará perdendo uma grande oportunidade de aumentar suas vendas. A dica do diretor ao pequeno e médio empresário é apostar no atendimento aos nichos de mercado. “O pequeno tem essa vantagem, pois consegue entregar um produto personalizado com um preço adequado”, explica. Demanda que grandes empresas muitas vezes não possui flexibilidade para atender.
Se você está interessado em abrir um ponto de venda eletrônico, mas não sabe por onde começar, Gerson explica que há três pilares fundamentais para estruturar a sua operação: definir um plano de ferramentas de web marketing a serem utilizadas, bem como reservar um orçamento específico para esta ação; estabelecer uma logística adequada para a entrega dos produtos; ter um sistema de compra por cartão de crédito, uma vez que no Brasil 80% das vendas são feitas por cartão de crédito.
“Muitas vezes essas ações não fazem parte da vida offline do pequeno empresário, mas ele não vai existir na net sem essas ferramentas”, alerta o especialista. A falta de planejamento é o erro mais comum do pequeno e médio empresário brasileiro ao iniciar uma operação de comércio eletrônico. “Não é porque é simples e o investimento é pequeno que não precisa planejar. É fundamental um planejamento estratégico bem feito com estudo de mercado e de aceitação de produto”, completa Rolin.
O diretor destaca também a necessidade de  uma estratégia de proteção contra fraude online. De acordo com a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, os custos para  montar um ponto de venda eletrônico variam de acordo com número de produtos oferecidos, o template utilizado entre outras variáveis. Para uma loja simples, o template fica em torno de mil reais além de uma manutenção mensal a partir de 100 reais. Há ofertas competitivas para o bolso do pequeno e médio empresário.
Para auxiliar o empresário interessado em investir em e-commerce, a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico realiza o Ciclo MPE.net, uma série de palestras gratuitas com especialistas no tema que percorrem o Brasil para esclarecer dúvidas, apresentar casos de sucesso e dar subsídios para que os empreendedores  possam investir nesse setor com mais propriedade e segurança.

Um comentário:

  1. para quem se interessa no assunto, esse artigo explica bem .

    ResponderExcluir